O envelhecimento da população está trazendo muitas mudanças na vida de todos nós. Pessoas vivendo mais necessitam de cuidados especiais, mas nem sempre os familiares estão preparados para assumir esse papel. “Falta para os cuidadores um espaço para adquirir informação emocional, formação continuada, um local para trocar ideias e vivências. Principalmente, falta quem tenha conhecimento para sugerir soluções e aprimorar o trabalho do cuidador, confirmando sua valorização e eficiência”. Quem diz isso é a a psicóloga Maria de Lourdes Junek, experiente em psicoterapia para idosos e em formação de cuidadores profissionais e familiares. A partir de junho ela coordenará o Grupo de Apoio ao Cuidador Familiar realizado semanalmente pelo Ideac, até dezembro.

 

Lourdes acredita que o mais importante é apoiar e ajudar os cuidadores a garantir o bem-estar de seus pacientes: “É preciso estar alerta aos sinais importantes, cuidar da alimentação incentivando o prazer do paladar, seguir as orientações dos médicos e, principalmente, evitar situações de medo, de desconforto e desencadeadoras de estresse para os dois lados, por exemplo, as visitas inconvenientes e conversas tristes”, ensina.

 

Outro ponto levantado pela psicóloga é a necessidade de respeitar escolhas possíveis: “A pessoa já está passando por uma fase difícil de dependência e deve ser respeitada. Por que não deixar que escolha roupas, os livros que serão lidos ou os passeios?”

 

Os Grupos

 

Com esse projeto, o Ideac oferece um espaço para que o Cuidador Familiar possa compartilhar sua experiência e conhecer ferramentas para melhor lidar  com as situações com as quais for se deparando na  rotina diária, ou nas situações emergenciais.

 

Por isso é importante trocar experiências com pessoas dispostas a ouvir suas dificuldades. “Palpites e críticas atrapalham muito. Os cuidadores geralmente sentem-se muito pressionados pela família e precisam ganhar segurança para ter seu trabalho valorizado”, comenta Lourdes.

 

O estresse do cuidador também é um ponto que terá destaque durante os encontros. “Muitas vezes o familiar que assumiu a função de cuidador tem um excesso de responsabilidades que, se não for cuidado, fará com que ele passe dos limites e comprometa o trabalho. A consciência do estresse, conversas e pequenas divisões de tarefas costumam amenizar todo o peso. Ele precisa se abastecer de outro lado para manter o equilíbrio”, aconselha a psicóloga.

 

Cuidar de um parente também implica em administrar os afetos e ter coerência e firmeza nas decisões para evitar manipulações e chantagens.  Respeitar a fragilidade e dar carinho, mas com a consciência que está fazendo o melhor, mesmo quando contraria a pessoa dependente.

 

Objetivo e Metodologia

 

A proposta de Maria de Lourdes Junek é trabalhar técnicas que facilitem a livre expressão e a comunicação dos participantes, dentro de um clima de aceitação e respeito, visando aprofundar a percepção da própria realidade, promover análises críticas e, havendo necessidade, ter uma orientação teórica que vise melhorar aspectos dessa fase de vida como cuidador. Ela trabalha com um grupo de no máximo quinze pessoas.

 

Organização

 

O Ideac  oferece encontros semanais, às quintas-feiras,
das 18:00 às 20:00,  de 07 de junho até 13 de dezembro/2018.

 

Para melhor atender aos participantes, cujas realidades podem se modificar ao longo
dessas 25 semanas, o compromisso com o Ideac é renovado a cada 4 encontros;
essa flexibilidade dará abertura para novos participantes aderirem ao grupo.

 

Investimento

 

A inscrição poderá ser feita para 4 encontros, 8 horas no valor total de  R$232,00 (valor mínimo) 
Ou para 25 encontros – 50 horas : 1.450,00 ( valor máximo)

 

Inscrições e informações

 

cadastro@ideac.com.br
ou pelos telefones (11) 3885-0091 e (11) 99946-3554.